As doenças cardiovasculares são discutidas dentro da prática clínica, principalmente por conta de sua alta prevalência. A resistência à insulina vem tomando espaço nas desordens metabólicas, e por isso cada vez mais cresce a importância de modular estratégias nutricionais que promovam o equilíbrio desse metabolismo glicêmico. Com isso, destaca-se os efeitos positivos das fibras na alimentação, que são relacionados à fermentação de seus componentes, propiciando um impacto sobre a velocidade do trânsito intestinal, pH do cólon e produção de subprodutos com importante função fisiológica. Os indivíduos com elevado consumo de fibras apresentam, além de apresentarem menor risco de desenvolverem diabetes, também se previnem da doença coronariana, hipertensão arterial, obesidade e câncer intestinal. A fibra alimentar é resistente à ação das enzimas digestivas e constituída por polímeros de carboidratos. Seus componentes dividem-se nos grupos: polissacarídeos não amido, frutooligossacarídeos (FOS) e carboidratos análogos (amido resistente e maltodextrinas resistentes). Ambas apresentam funções benéficas…

Faça o login para ver o restante deste conteúdo!

Ou cadastre-se para ter acesso a este conteúdo e a notícias científicas direcionadas ao profissional da saúde com os temas mais relevantes, informações sobre nutrição magistral e novas ferramentas para a prática clínica. É grátis!

Já sou Cadastrado Quero me cadastrar