A influência do meio ambiente sobre a pele humana vem sendo cada vez mais elucidada por estudos científicos, principalmente em associação com os efeitos da poluição atmosférica. Esses efeitos podem provocar uma série de alterações estruturais no tecido capaz de acelerar o envelhecimento cutâneo, além de desencadear doenças inflamatórias e até mesmo câncer. Ainda que a radiação ultravioleta seja considerada a principal causa dessas alterações, a poluição do ar tem sido reconhecida por contribuir para a ocorrência de doenças de pele.

A concentração de poluentes no ar aumenta em até 80% durante o inverno, em locais com grandes indústrias e circulação maior de veículos, segundo a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental – Cetesb. Os poluentes encontrados em maior quantidade no ar englobam substâncias que podem produzir consequências na saúde em geral. Dentre eles, destacam-se o monóxido de carbono, hidrocarbonetos, materiais particulados, óxidos de enxofre, entre outros. A maioria destes compostos tem origem no processo de combustão dos combustíveis utilizados nos veículos, provocando sua liberação no ar, que, por serem partículas pequenas, podem depositar-se na camada mais profunda da epiderme, com isso, desencadeando a ativação de células inflamatórias, a geração de altas quantidades de radicais livres, a alteração da microbiota cutânea e da resposta imune. Esses radicais livres, então, podem estimular a transcrição do fator nuclear NF-κβ, aumentando a liberação de citocinas inflamatórias, o que leva ao estímulo dos queratinócitos e da melanogênese, degradação das fibras colágenas e elásticas da pele e suprarregulação dos níveis de metaloproteinases. Portanto, todos estes eventos decorrentes da poluição contribuem para o surgimento de manchas, de doenças inflamatórias como a acne, além de aumentar a degradação de colágeno e elastina, promovendo mais flacidez e o aparecimento de rugas, acelerando de forma significativa o processo de envelhecimento cutâneo.

Pensar em estratégias efetivas para reduzir os danos provocados na pele pela poluição e fotoexposição é essencial em um atendimento clínico. A alimentação e a complementação com fórmulas específicas para prevenir e minimizar esses danos, principalmente no inverso, faz-se necessária. O consumo de frutas e legumes alaranjados, hortaliças verde-escuras e sementes oleaginosas (nozes, castanhas) é uma recomendação eficaz devido à grande presença de compostos antioxidantes e anti-inflamatórios.

Já pensando em complementação da dieta com ativos magistrais, a Galena®, que é pioneira neste setor farmacêutico, traz um lançamento ideal para potencializar a proteção da pele contra a poluição do ar e radiação solar: Red Orange Complex®.

O Red Orange Complex® é um extrato padronizado de três variações de laranjas-vermelhas (Moro, Tarocco e Sanguinello) cultivadas exclusivamente ao redor do vulcão Etna na Sicília (Itália). Ele é composto por uma rica variedade de fitoquímicos, apresentando um potencial antioxidante de alta qualidade e eficácia. Dessa forma, Red Orange Complex® é considerado um suplemento oral com propriedades fotoprotetoras e anti-pollution, sendo uma solução natural na proteção da pele contra a poluição e exposição à radiação UV, além de contribuir para uniformização do tom da pele.

Com relação ao mecanismo de ação, o ativo é capaz de fortalecer as defesas da pele contra os danos relacionados ao estresse oxidativo graças ao poder antioxidante desencadeado pela mistura natural de compostos fitoquímicos variados das laranjas Moro, Tarocco e Sanguinello. Tal proteção inclui a inibição de respostas inflamatórias, como a redução da expressão de MCP-1 (monócitos quimioatraente proteína-1), IL-8 (interleucina-8), NF-κβ e procaspase-3, além do aumento de antioxidantes endógenos como a glutationa. Com isso, ocorre a redução do estresse oxidativo e da produção das EROS, reduzindo a degradação de colágeno, a apoptose celular e a hiperpigmentação. Veja o resumo descrito na figura 1:

Figura 1 – Mecanismo de ação do Red Orange Complex®.

Avaliação da ação anti-pollution de Red Orange Complex® em policiais de trânsito Um estudo avaliou os efeitos da suplementação dietética, em curto prazo, com Red Orange Complex® em um grupo de policiais de trânsito expostos à poluição do escapamento de veículos e ao tabagismo, através da medição de biomarcadores não invasivos de estresse oxidativo. Todos os grupos apresentaram níveis semelhantes de hidroperóxido lipídico sérico, contudo os agentes de tráfego mostraram menores concentrações séricas de grupos tiol (SH). Após um mês de administração do extrato de laranjas-vermelhas, os níveis de hidroperóxido lipídico diminuíram apenas em indivíduos não fumantes, além dos níveis de tiol estarem restaurados aos valores normais nos oficiais de trânsito. Os resultados do estudo sugerem que a suplementação com esse composto pode ser útil para minimizar os efeitos prejudiciais da poluição do ar e tabagismo, reduzindo índice de estresse oxidativo graças à potente ação antioxidante dos fitoquímicos presentes no ativo.

Estudo da suplementação com Red Orange Complex® na hiperpigmentação da pele A ciência comprova, também, a eficácia da combinação de espécies de laranjas (Moro, Tarocco e Sanguinello) sobre a hiperpigmentação da pele. Um estudo foi realizado com 25 voluntários fototipos II e IV da classificação de Fitzpatrick, com idades de 45 a 70 anos (média de 56 anos), classificados com pelo menos cinco pontos de manchas solares no dorso de cada mão. Para cada voluntário, foram selecionados três pontos com manchas solares de tamanhos de 8 a 10mm e um ponto sem mancha como o controle. O protocolo de estudo foi de cinco semanas. Em uma mão, as manchas solares e o sítio sem mancha foram expostos a um bronzeamento com lâmpada simuladora no período de 2 a 8 minutos, sendo monitorados alguns índices relacionados, com intervalo de descanso. Na quarta semana foi o início do tratamento com Red Orange Complex® na dosagem de 100mg ao dia e concomitante ao bronzeamento dos sítios da outra mão do voluntário. Na quinta semana, ocorreu monitoramento do índice de melanina das mãos após a suplementação com o ativo. A duração da pesquisa com tratamento foi de 15 dias.

Gráfico 1 – Índice de melanina em locais com manchas e sem manchas, com e sem a suplementação com Red Orange Complex®.

REFERÊNCIAS

 BONINA, F. et al. Protective effects of a standardised red orange extract on air pollution-induced oxidative damage in traffic police officers. Natural Product Research, v. 22, n. 17, p. 1544-1551, nov. 2008.

CAHUANA, M. et al. Actividad fotoprotectora de formulación tópica a base del extracto hidroalcohólico de Fragaria vesca L. (fresa), 2017. Disponível em: <http://cybertesis.unmsm.edu.pe/bitstream/handle/cybertesis/6878/Moya_ct.pdf?sequence=2&isAllowed=y>. Acesso em: 25 jun. 2018.

BONINA, F. et al. Oxidative stress in handball players: effect of supplementation with a red orange extract.” Nutrition research, v. 25, n. 10, 2005.

LEITE, J. et al. Doenças da pele relacionadas à poluição do ar: uma revisão sistemática. J. Health Biol Sci., v. 5, n. 2, p. 171-177, 2017.

Posologia: Administrar 1 dose ao dia..

Comentário Galena: Red Orange Complex ®  é o extrato de três variedades de laranjas-vermelhas, com rica composição de fitoquímicos que promovem ação fotoprotetora e anti-pollution oral, reduzindo a ação dos radicais livres e resposta inflamatória.  Oli-Ola™ é padronizado em hidroxitirosol e promove efeito protetor no estresse oxidativo, contribuindo para a diminuição da inflamação, além de estimular a produção de colágeno e elastina por aumentar o tempo de vida dos fibroblastos.

Posologia: Administrar 1 dose ao dia

Comentário Galena: Red Orange Complex ® é o extrato de três variedades de laranjas-vermelhas, com rica composição de fitoquímicos que promovem ação antioxidante oral, dessa forma, reduzindo a ação dos radicais livres e a resposta inflamatória associada à poluição e à exposição solar, além de promover a uniformização do tom da pele.  Oli-Ola™ é padronizado em hidroxitirosol e também contribui com a uniformização da pele, pois o hidroxitirosol diminui a pigmentação por retardar as reações oxidativas envolvidas na melanogênese.

(72)