A dieta cetogênica é uma das dietas mais difundidas ultimamente devido ao seu potencial em emagrecimento, performance esportiva e mental. Desde o começo do século 20 é utilizada para perda de peso e de gordura, no tratamento da síndrome metabólica, da obesidade e do diabetes, além de outras aplicações que vêm sendo pesquisadas.

Essa dieta é caracterizada pela maior ingestão de gorduras (entre 80-90% das calorias) e restrição em carboidratos e proteínas pelo consumo maior de alimentos de origem animal, tais como carnes, peixes, lácteos, ovos e certos vegetais com baixo carboidrato. Esta composição de macronutrientes induz uma mudança metabólica, assim, aumentando a oxidação de gordura e a produção dos corpos cetônicos pelo fígado, mais conhecida como “cetose”, em que são utilizados como substratos metabólicos alternativos para tecidos extra-hepáticos. Dessa forma, em um metabolismo cetogênico, o organismo utiliza tanto as gorduras provenientes da alimentação quanto as gorduras armazenadas no corpo como fonte de energia primária. Veja a ilustração 1:

 

Ilustração 1 – Ilustração da “cetose”, mudança metabólica que favorece a utilização da gordura como fonte de energia.

As vantagens do metabolismo dos corpos cetônicos já estão descritas: fornece uma fonte de carbono oxidável para conservar reservas de glicose e reduz a proteólise, assim, satisfazendo simultaneamente as demandas específicas de combustível, principalmente, do cérebro e dos músculos.

O termo “corpos cetônicos” se refere a três moléculas: acetoacetato (AcAc), beta-hidroxibutirato (βHB) e acetona. βHB e AcAc, quando utilizados pelo organismo, mostraram reduzir a produção de radicais livres, otimizar a produção de energia, além de promover efeito anti-inflamatório e supressor de apetite. Assim sendo, os corpos cetônicos atuam não apenas como combustíveis respiratórios para potencializar a fosforilação oxidativa, mas como sinais que regulam a oxidação preferencial e a mobilização de substratos, como os ácidos graxos livres, resultando na redução do estoque de gordura do tecido adiposo.

Produção de corpos cetônicos no organismo: entenda o mecanismo

Como um organismo entra em estado de cetose? O mecanismo inicia após alguns dias de jejum ou com uma dieta de carboidratos drasticamente reduzida, em torno de 20 gramas ao dia. Nesse período, as reservas de glicose no corpo se tornam insuficientes para a produção de oxaloacetato no ciclo de Krebs e para o fornecimento adequado ao sistema nervoso central. Com, aproximadamente, 3 a 4 dias de jejum, o sistema nervoso não pode utilizar ácidos graxos como fonte de energia por não atravessarem a barreira hematoencefálica e, com isso, é necessária a superprodução de acetil-CoA, que propicia a síntese de corpos cetônicos. Dentre eles, destaca-se o Beta-hidroxiburitato (BHB) e o acetoacetato. Esse processo é chamado de cetogênese e ocorre na matriz do fígado. Confira a imagem 1, representativa do mecanismo bioquímico:

 

Figura 1 – Produção de corpos cetônicos na matriz do fígado.

Fonte: http://alemdasapostilas.blogspot.com.br/2017/11/degradacao-de-lipidios-parte-2-corpos.html

Os recentes estudos evidenciam o uso de dietas cetogênicas na terapia de perda de peso. A hipótese inicial indica que a perda de peso era induzida pelo gasto de energia através da excreção de corpos cetônicos. Isso pode estar associado ao gasto calórico desencadeado pelo processo de gliconeogênese estimulado pela cetose, uma vez que esse mecanismo gasta em média 400 a 600kcal. Outros autores mostram que as dietas cetogênicas reduzem o apetite, visto que o consumo maior de gorduras promove maior saciedade e por tempo prolongado. Ainda, alguns pesquisadores relatam uma possível ação inibitória direta do apetite, por meio dos corpos cetônicos, devido à transmissão de um sinal de energia feito pelo BHB.

A dieta cetogênica possui algumas limitações em relação à sustentabilidade dos manejos nutricionais. O valor de carboidratos deve chegar a 20 gramas ao dia, em um percentual de menos que 10%; de gordura o recomendado é em torno de 60% e o restante de proteínas, com aproximadamente 30% do valor energético total. Essas recomendações podem ser limitantes quando convertidas em alimentos, visto que há uma restrição severa àqueles que são comumente consumidos, hoje, pela maioria das pessoas. Contudo, com o planejamento alimentar adequado e feito por profissional capacitado, é possível equilibrar a dieta com a escolha de alimentos nutritivos, de acordo com as necessidades do paciente.

De forma promissora e inovadora, a Galena® potencializa sua prescrição e traz para o mercado o mais novo ativo com grande eficácia na busca de resultados mais rápidos nas dietas. Go™BHB, uma substância cetônica que é naturalmente produzida pelo organismo e age como fonte de energia, além de potencializar dietas com baixo consumo de carboidratos. Go™BHB, por ser um corpo cetônico, ajuda a potencializar esses tipos de intervenções nutricionais, funcionando como fonte de energia e aumentando a oxidação de gorduras. Diante disso, fornece uma fonte energética extra ao corpo para melhorar a eficiência da perda de peso, mesmo em uma dieta com ingestão moderada de carboidratos.

Mecanismo de ação de Go™BHB

O ativo Go™BHB, quando administrado, é liberado do fígado para a circulação e transportado para o citosol e mitocôndrias das células musculares, pelos transportadores de monocarboxilato (MCTs). Uma vez dentro da matriz mitocondrial, é metabolizado em acetil-CoA e oxidado no Ciclo de Krebs. Na suplementação, Go™BHB será utilizado como combustível para a fosforilação oxidativa e como sinal para a regulação da mobilização de substratos energéticos para os tecidos, auxiliando na preservação das reservas de glicose e diminuição da quebra de proteínas. Acompanhe o mecanismo de ação na figura 2:

 

Figura 2 – Mecanismo de ação de GO™BHB.

Um estudo avaliou as vantagens bioquímicas da cetose em atletas. Para isso, cinco estudos foram selecionados em busca de comprovar a associação entre os copos cetônicos circulantes e a oxidação energética. A amostra de um estudo foi de 8 atletas que administraram 573mg de Go™BHB por kg de peso, antes de um teste de ciclismo em um delineamento cruzado e randomizado. A ingestão dessa quantidade de ativo demonstrou uma rápida elevação de β-hidroxibutirato circulante. Essa elevação contribuiu aumento da distância percorrida por cada atleta, melhorando a performance em exercício de alta intensidade.

Go™BHB é considerado um acelerador de dietas que garante diferentes efeitos ao metabolismo corporal como combustível para músculos e cérebro, melhorando a performance física e mental; estímulo da condição de cetose, preservando as reservas de glicogênio; aumento da oxidação de gorduras, auxiliando no gerenciamento do peso e ajudando na promoção de saciedade, assim, sustentando a atividade do organismo. Pode ser utilizado como pré-treino, para o máximo rendimento, ou pela manhã, em busca de mais energia e desempenho mental.

Como diferencial, Go™BHB apresenta selo antidopping com certificação internacional, sendo seguro para uso no planejamento nutricional de atletas em diferentes modalidades esportivas. Sua dosagem usual recomendada é de 3 a 6 gramas ao dia. Deve ser prescrito por profissional especializado, em farmácias de manipulação, de acordo com a posologia e as necessidades do paciente, associado a dietas com restrição de carboidratos ou não, dependendo de cada caso clínico.

 

REFERÊNCIAS

COX, P. et al. Nutritional Ketosis Alters Fuel Preference and Thereby Endurance Performance in Athletes. Cell Metab., v. 24, n. 2, p. 256-68, aug. 2016.

PAOLI, A. Ketogenic Diet for Obesity: Friend or Foe? Int. J. Environ. Res. Public Health, v. 11, p. 2092-2107, 2014.

NONINO-BORGES, C. et al. Dieta cetogênica no tratamento de epilepsias farmacorresistentes. Rev. Nutr., Campinas, v. 17, n. 4, p. 515-521, Dec. 2004.

ASTRUP, A.; HJORTH, M. Low-Fat or Low Carb for Weight Loss? It Depends on Your Glucose Metabolism. EBioMedicine, v. 22, p. 20-21, 2017.

ZINN, C. et al. Ketogenic diet benefits body composition and well-being but not performance in a pilot case study of New Zealand endurance athletes. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 14, n. 22, p. 1-9, 2017.

Posologia: Administrar 1 dose antes do treino.

Comentário Galena: GO™BHB é uma substância cetônica que age como substrato direto para o tecido muscular, promovendo mais energia e melhorando o desempenho esportivo, além de auxiliar a preservar as reservas de glicose e a diminuir a quebra de proteínas. PeakO2 potencializa a fórmula pré-treino por maximizar a duração do exercício, aumentando a resistência e o tempo para a exaustão devido ao aumento do aporte de oxigênio, enquanto BCAA oferece os aminoácidos essenciais que contribuem para a hipertrofia e recuperação muscular.

Posologia: Administrar 1 dose no shake pela manhã ou antes do treino.

Comentário Galena: GO™BHB, sendo um corpo cetônico, ajuda a potencializar dietas, funcionando como fonte de energia e aumentando a oxidação de gorduras. Isso significa que o GO™BHB não ajuda apenas na queima gordura, mas, também, fornece uma fonte de energia ao corpo para melhorar a eficiência da perda de peso. GO™BHB será utilizado como combustível para a fosforilação oxidativa e, ainda, como sinal para a regulação da mobilização de substratos energéticos para os tecidos. Dessa forma, auxilia a preservar as reservas de glicose e a diminuir a quebra de proteínas.

(25)