Atualmente, o desequilíbrio do peso corporal observado na população é justificado por diversas razões. Segundo o Ministério da Saúde, mais da metade da população encontra-se acima do peso, em torno de 59%, sendo que 76% já estão classificados dentro da categoria overfat – excesso de gordura corporal. A alimentação desequilibrada, o sedentarismo diário, o aumento da tecnologia e o crescimento do mercado que fornece alimentos cada vez mais ultraprocessados e acrescidos de substâncias químicas podem ser classificados como principais fatores para essa epidemia. A ciência mostra que a compulsão alimentar principalmente por alimentos específicos (doces e salgados), é prevalente em 2 a 6% de pessoas com obesidade e caracterizado por diversas manifestações na fisiologia do organismo.

Quais fatores podem estar relacionados à compulsão alimentar? Uma revisão científica, feita por Feijó e colaboradores (2011) evidenciou a importância do conhecimento dos mecanismos fisiológicos para o controle do balanço energético, sugerindo que a regulação do comportamento alimentar e do peso corporal dependem de vias neuronais, mais especificamente vias serotoninérgicas e dopaminérgicas, comuns a outros comportamentos complexos, que incluem o aprendizado e a dependência de certas substâncias – como o café. Sugere-se que a compulsão esteja associada a mecanismos motivacionais controlados por processos de regulação homeostática, que envolvem funções hipotalâmicas. No hipotálamo, existe um centro gerador de comportamentos que é ativado pela motivação, em resposta a comandos promovidos pelo neocórtex e sistema límbico, envolvendo a atuação de neurotransmissores específicos e alguns hormônios.

A serotonina (5-HT) desempenha funções essenciais no sistema nervoso, como a liberação de hormônios, a regulação do sono, a temperatura corporal, o apetite, o humor, a atividade motora e cognição. Alterações nos níveis deste neurotransmissor ou problemas na sinalização com o receptor têm sido relacionados ao aumento do desejo de ingerir alimentos fonte de carboidratos, tanto salgados como doces. A dopamina, outro neurotransmissor fundamental para o equilíbrio da fome e saciedade, também, exerce influência na sensação de vontade em consumir alimentos salgados e café. Alguns estudos mostram, ainda, que o desequilíbrio da ação de glândulas específicas, como as suprarrenais, que são responsáveis pela manutenção de eletrólitos no organismo por meio da atuação do hormônio aldosterona, pode aumentar o consumo de alimentos ricos em sódio, uma vez que esse hormônio está relacionado à reabsorção de sódio pelo organismo. Com a carência de sódio, ocorre a ativação do desejo por sal e alimentos mais salgados.

Todos esses fatores destacados são considerados gatilhos para dar início ao processo compulsivo. Como começa esse ciclo? Ingestão de grande quantidade de alimentos em um período de tempo de até duas horas, acompanhada da sensação de perda de controle das quantidades ingeridas. Assim, ocorre desequilíbrio homestático dos sinais de fome e saciedade, com baixa atuação dos neurotransmissores e hormônios envolvidos, gerando um ciclo vicioso. O estresse, também, é um fator de risco para a compulsão, principalmente, pelo excesso de cortisol.

Os alimentos fonte de triptofano, como banana e cacau, são importantes para a produção adequada de serotonina e aqueles que são fontes de tirosina (amêndoas, abacate, sementes) para a síntese de dopamina. Já pensando em complementação da dieta, o uso de ativos magistrais é de suma importância. A Galena é pioneira no mercado magistral e fornece um ativo ideal para controle da compulsão alimentar, sobretudo, para alimentos salgados: Neuravena® é um extrato da parte aérea de uma variedade específica de aveia-verde silvestre, cultivada em condições controladas e composta por potentes bioativos, como avenantramidas, saponinas e flavonoides (vitexina e isovitexina). Esses compostos garantem benefícios na melhora da concentração, e performance cognitiva em situações de estresse e devido ao seu mecanismo de ação que inibe a monoamina-oxidase B (MAO-B) e da fosfodiesterase 4 (PDE4), assim, inibindo a degradação da dopamina e do segundo mensageiro AMPc, favorecendo o aumento da função dopaminérgica e promovendo maior estado de alerta e redução da ansiedade, ações que minimizam a compulsão por alimentos salgados e café.

O ativo Galena deve ser prescrito em fórmulas direcionadas para farmácia de manipulação, por profissional capacitado, avaliando a condição clínica de cada paciente.

  

REFERÊNCIAS

 FEIJÓ, F.; BERTOLUCI, M.; REIS, C. Serotonina e controle hipotalâmico da fome: uma revisão. Rev Assoc Med Bras., V. 57, N. 1, P. 74-77, 2011.

CORTEZ, C.; ARAÚJO, E.; RIBEIRO, M. Transtorno de compulsão alimentar periódico e obesidade. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 40, n. 1, p. 94-102, 2011.

MOZOLIC, J. L.; HAYASKA, S.; LAURIENTI, P. J. A cognitive training intervention increases resting cerebral blood flow in healthy older adults. Frontiers in human neuroscience, v. 4, p. 16, 2010.

Posologia: Administrar 1 dose pela manhã e no final da tarde.

Comentário: Saffrin® inibe a recaptação de serotonina, modula a concentração de dopamina e atua nos receptores GABA, age sinergicamente com a Mucuna pruriens, que estimula a síntese de dopamina, dessa forma, auxiliando no controle da compulsão alimentar. A associação com Neuravena® potencializa a ação regulatória sobre os níveis de neurotransmissores por modular a atividade da enzima MAO-B, que modula os níveis de dopamina, promove o estado de alerta e atenção, além da redução da ansiedade, essas ações reduzem a compulsão por alimentos salgados e café, portanto, o aumento da ansiedade e a falta de concentração normalmente estão relacionados.

Posologia: Administrar 1 dose ao dia.

Comentário: Neuravena® por atuar como inibidor da monoamina-oxidase B (MAOB) e inibidor da fosfodiesterase 4 (PDE4), favorecem várias ações, que vão desde o aumento da função dopaminérgica à vasodilatação cerebral, muito importantes para a função cognitiva, memória recente e tardia e humor. A Fosfatidilserina potencializa a ação do Neuravena ® é um fosfolipídeo que se encontra presente naturalmente das membranas celulares e está envolvido no processo da transmissão transmembrana na função neuronal do SNC, sendo indicado para síndrome de deterioração cognitiva pré-senil no envelhecimento cerebral e nos distúrbios da memória recente. Rhodiola rósea (5% de Rosavin) atua como adaptógeno promovendo uma melhora da memória e no desempenho mental. Dimpless® potencializa a ação desta fórmula através do estímulo dos antioxidantes endógenos.

Posologia: Administrar 1 dose após o café da manhã e à noite.

Comentário: Neuravena® contribui para a melhora do desempenho cognitivo em situações estressantes, e tem seu efeito potencializado pela potente ação antioxidante do Dimpless ®. Serenzo™ modula os níveis de cortisol e por isso favorece a diminuição da irritabilidade, da ansiedade, diminuindo o estresse excessivo. A L-Theanina promove ação relaxante, porém sem causar sedação, mantendo a atenção e disposição.

(44)