As mudanças no padrão de consumo alimentar vêm acontecendo de forma exponencial. A Pesquisa Vigitel – Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico – revelou, em uma recente análise (2016), uma mudança progressiva no hábito alimentar da população, caracterizada pela diminuição significativa da ingestão de ingredientes considerados básicos e tradicionais no cardápio do brasileiro. Com destaque ao consumo regular de feijão, por exemplo, que diminuiu de 67,5% em 2012 para 61,3% em 2016. Além disso, o inquérito mostrou que apenas 1 entre 3 adultos consome frutas e hortaliças em cinco dias da semana. A baixa qualidade dos produtos disponíveis no mercado ocasionou uma ingestão desenfreada de alimentos com alto valor calórico e pouco nutritivos que, em conjunto com o sedentarismo, vem gerando cada vez mais uma população com sobrepeso e excesso de gordura, a chamada overfat.

O estresse é outro fator que interfere diretamente no desequilíbrio alimentar, condição que afeta até 69% da população brasileira. Quando uma pessoa se encontra estressada, o organismo reage física e mentalmente a um esforço extremo, que, em geral, ativa processos hormonais e nervosos baseados em uma condição de alerta. Esse efeito desencadeia um conjunto de sintomas que pode variar de acordo com o grau. Os sintomas costumam aparecer por conta das situações recorrentes, que induzem um estado pró-inflamatório, resultando em disfunções endoteliais e contribuindo para manter o ciclo vicioso do estresse. Gradativamente, o estado inflamatório aumenta e modifica padrões não apenas fisiológicos, mas, também, psicológicos e comportamentais.

O desequilíbrio hormonal e de neurotransmissores no organismo estressado gera distúrbios alimentares relacionados à compulsão. Sabe aquele paciente com a rotina conturbada, que trabalha em local distante da sua casa e não dorme direito? É influenciado por essa alteração fisiológica, o que leva a uma maior ingestão alimentar de maneira compensatória. Nesses casos, é comum, principalmente, o aumento do consumo de doces. O cortisol e o CRH (hormônio liberador de corticotrofina) são os principais hormônios envolvidos nesse mecanismo. Quando o organismo ativa a produção de CRH, ocorre um estímulo da liberação de ATCH – hormônio adrenocorticotrófico – pela hipófise, que, ao atingir as glândulas adrenais, gera a produção e secreção de cortisol, hormônios responsáveis pelo estresse. Sem contar, também, a influência dos neurotransmissores  dopamina e serotonina nesse processo, e de moléculas de adesão capazes de ativar todo o processo inflamatório, sendo destaque a ICAM-1 (molécula de adesão intercelular).

A alimentação rica em grãos integrais e especiarias naturais (cúrcuma, ervas) podem contribuir para controlar a ansiedade e reduzir a compulsão alimentar, devido ao fornecimento de compostos bioativos específicos. Além disso, a Galena combina dois ativos para fórmulas magistrais que auxiliam não só na redução da ingesta de alimentos, mas, também, na modulação do estresse, podendo ser prescritos com segurança e garantia de eficácia.

Um estudo duplo-cego, randomizado e controlado por placebo foi realizado com 60 mulheres com sobrepeso, no período de oito semanas de tratamento, com extrato de Crocus sativus (extrato presente no Saffrin®) ou placebo, sendo avaliadas a redução de peso e a frequência na ingestão de alimentos doces. Os resultados mostraram que o componente ativo promoveu redução do peso significativamente superior à do placebo, aumentou a saciedade e ainda reduziu a sensação de fome e a frequência de ingestão de doces.

Esse ativo pode ser frequentemente combinado com Serenzo™, ingrediente natural obtido do Citrus sinensis, que auxilia no controle da inflamação associada ao estresse, que favorecem a redução da ansiedade e diminuição da compulsão alimentar, proporcionando controle do peso corporal. É rico em D-limoneno, um composto bioativo responsável pelas propriedades calmante, relaxante e antiansiedade já comprovadas. Apresenta certificados Ecocert e Kosher, desse modo, garantindo confiabilidade e segurança dos seus efeitos. Os estudos científicos comprovam que Serenzo™ atua de forma eficaz na diminuição de fatores negativos induzidos pelo estresse, minimizando os marcadores inflamatórios a partir da inibição da expressão de ICAM-1 (molécula de adesão). Assim, contribui para reduzir os sintomas comuns como ansiedade, mudanças do humor, alterações do sono e dores musculares.

REFERÊNCIAS

AGHA-HOSSEINI, M. et al, Crocus sativus L. in the treatment of premenstrual syndrome: adouble-blind, randomised and placebo-controlled trial. BJOG, v. 115, n. 4, p. 515-9, mar. 2008.

ESCH, T. et al. Proinflammation: a common denominator or initiator of different pathophysiological disease processes. Med Sci Monit, v. 8, n. 5, p. 7-9. May. 2002.

GHADRDOOST, B. et al. Protective effects of saffron extract and its active constituentcrocin against oxidative stress and spatial learning and memory deficits induced by chronic stress in rats. Eur J Pharmacol, v. 667, p. 222-9, 2011.

O’CONNOR, I. C. et al. Interferon-gamma and tumor necrosis factor-alpha mediate the upregulation of indoleamine 2,3-dioxygenase and the induction of depressive-like behavior in mice in response to bacillus Calmette-Guerin. J Neurosci, v, 29, n. 13, apr. 2009.

PLANTE, G. F. Vascular response to stress in health and disease. Metabolism, v. 571, suppl. 1, p. 25-30, jun. 2002.

SHAMSA, A. et al. Evaluation of Crocus sativus L. on male erectile dysfunction: A pilot study. Shamsa. Phytomedicine., v. 16, n. 8, p. 690-3, may. 2009.

VIGITEL. Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, 2016. Disponível em: < http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/17/Vigitel.pdf>. Acesso em: 29 jan. 2018.

 

Posologia: Administrar 1 dose pela manhã e 1 dose no final do dia.
Comentários: Saffrin® inibe a recaptação de serotonina e SerenzoTM atua na modulação do cortisol e na diminuição dos marcadores inflamatórios, principalmente, TNF-alfa. Associados à Rhodiola rosea e Fosfatidilserina, que atuam sinergicamente na modulação do cortisol, reduzem a compulsão alimentar relacionada à ansiedade e ao estresse.

Posologia: Administrar 1 dose pela manhã e no final da tarde.
Comentários: Saffrin® inibe a recaptação de serotonina, modula a concentração de dopamina e atua nos receptores GABA, potencializando a ação da Griffonia simplicifolia e Mucuna pruriens, que estimulam, respectivamente, a síntese de serotonina e dopamina, dessa forma, auxiliando no controle da compulsão por doces e carboidratos.

Posologia: Administrar 1 dose pela manhã e no final da tarde.
Comentários: Saffrin® e a Theanina L modulam a concentração de serotonina, pois diminuem a recaptação de serotonina e estimulam a sua síntese, respectivamente. Assim, favorecem a redução da ansiedade. SerenzoTM diminui a ação do cortisol e os marcadores inflamatórios, sobretudo, TNF-alfa, que está alterado na exposição ao estresse. Associados à Ashwagandha (Withania Somnifera) e à vitamina B6 (coenzima responsável pela descarboxilação necessária para a síntese de neurotransmissores), modulam a concentração de GABA, serotonina e dopamina, dessa forma, reduzindo os sinais de ansiedade e estresse, atuando em sinergia às ações do Saffrin® e SerenzoTM.

(19)